segunda-feira, 29 de setembro de 2014


Susan K. Perry, escreveu um artigo maravilhoso e não tive coragem de deixar passar. Existem muitos maus conselhos despejados por aí sobre a arte de escrever e aspirantes a escritores tem bebido dessa fonte amarga.

Tomem cuidado, pessoal! Liguem o botãozinho da crítica, joguem os conselhos no filtro cerebral!

Avaliem as suas individualidades fugindo das generalizações!

Peguei carona nos tópicos do artigo de Susan, mas a explicação é minha, mais voltada a escrita de livros, não que isso não vale também para redações, artigos, TCCs, etc.

Deixo aqui o blog onde encontrei o  post adaptado feito pelo Alexei Oliveira. Leiam os três tá combinado?


1 – Dicas que limitam o seu potencial


Um escritor renomado deu a seguinte declaração: "um romance abandonado é um romance perdido". Mentira!

O interesse em suas obras pode variar e é normal que ocorra. Você tem todo o direito de engavetar suas ideias e não terminá-las. Elas sempre poderão renascer em um momento mais oportuno, seja em um desfecho, em uma nova história, em um artigo, em uma redação ou em um conto. Nada é perdido, sua mente e criatividade estarão sempre adquirindo algo.

Sua motivação pode variar e você tem a liberdade de dar as pausas que desejar em sua empreitada. É melhor parar e esperar o momento certo, do que empurrar com a barriga e fazer um trabalho ruim da qual não se tem orgulho!


2 – Dicas que travam sua imaginação


“Se você quer fazer sucesso, TEM QUE escrever sobre casais com doença e colocar uma tragédia bacana na parada”.

As regras são suas, as histórias são suas, o livro é seu! Seja feliz fazendo as coisas que te dão vontade. Caminhos prontos existem, mas você pode escolher trilhar os seus próprios meios. Cuidado com esse tipo de dica que te fecha numa estratégia que pode servir pra alguém, mas se servirá pra você são outros quinhentos.


3 – Dicas para agendar sua criatividade


"“Escreva de madrugada”, “Escreva todos os dias”, “Escreva pelo menos 8 horas por dia”,
“Escreva nas manhãs de dias ensolarados”...

#Argh!

Desenvolva o seu organograma, seus hábitos, seu plano de pesquisa. Sua vida literária deve refletir o que você é! A sua criatividade é expandida quando você aprende a se conhecer a cada dia e trabalhar como aliado de si mesmo.


4 – Dicas que o fazem sentir-se inferiorizado


"Você não é bom o suficiente enquanto não for igual a tal escritor."

As comparações são inevitáveis às vezes, mas elas são uma das armas mais poderosas que esses assassinos em série tem à disposição. A dificuldade das pessoas estabelecerem parâmetros da maneira correta é muito comum.

Valorize o seu trabalho, crie seus modelos e objetivos, mas foque em si mesmo; na sua evolução como escritor e sua capacidade de trabalho!

Ponha em mente que cada escritor tem o SEU público, Tolkien pra mim é um gênio, para outros um escritor de histórias chatas, enfadonhas e desnecessariamente trabalhadas.

Vai continuar com esse seu complexo de inferioridade e desistir na primeira comparaçãozinha? Existem muitos leitores que vão te amar por você ser o que você é, e não apenas uma sombra de um outro qualquer.


5 – Dicas que transformariam seu trabalho em algo que você não quer fazer


Aqui, trata-se de pessoas que não querem se esforçar pra escrever, mas se você pede uma opinião a elas sobre o seu trabalho, elas te apunhalam. Querem escrever o livro delas através de você. Querem levar você a fazer o trabalho que elas gostariam de fazer. Sua criatividade vai pra baixo e você escreve coisas com a cabeça de outros.

Cuidado com as sugestões, o livro é seu!


6 – Dicas que te fazem acreditar que tudo o que você faz está errado

Seu time da vencendo? Está progredindo e produzindo um material bacana e que se orgulha? Seu método está funcionando já faz muito tempo?

Cuidado com um pseudo-entendido que aparece e diz com tamanha audácia que isso é inconcebível, proibido, ultrapassado e por aí vai. Se funciona pra você, seja feliz!


7 – Dicas sobre a “maneira certa” de escrever


Métodos, maneiras, rituais. Use-os apenas enquanto eles estão te servindo, se isso não está ocorrendo, mude! Não se apaixone pelo seu método que tem defeito, abandone suas ruas preferidas se elas estão muito esburacadas e te impedindo de chegar onde você gostaria.


8 – Dicas que são mais orientadas para o mercado do que você


Sinta o mercado, mas não se torne um escravo dele. Mesmo que você precise de estabelecer um público, entender o que ele quer, o que gosta, tenha em mente que para fazer um bom livro, você precisa ter afinidade com o que está escrevendo.

Não coloque o mercado acima do seu estilo de escrever, aprenda a sentir o mercado, pesquise o mercado, mas seja você. Você precisa se orgulhar do que está escrevendo e é importante que estabeleça uma conversa verdadeira com seu público, não fale com uma voz que não seja sua.


9 – Dicas impossíveis de seguir na prática

Dicas mirabolantes e impraticáveis, abra o olho!


10 – Dicas para te fazer enlouquecer


Vá para uma montanha e se prive do mundo! Sem sexo em períodos importantes de escrita e blá blá blá.

A vida é sua! Não se esqueça disso, cada louco tem a sua mania, tenha as suas, se quiser!


11 – Dicas sobre modelos padronizados e infalíveis 

Pessoal, não se atenham apenas a isso, modelos podem ser ótimos e podem fracassar. Aproveite as dicas, mas lembre-se que você não pode se acorrentar a elas. Nada é infalível, ninguém detém razão total sobre as coisas.

Tenho certeza que muitas das dicas oferecidas, são feitas com boas intenções e sem a tentativa de impor uma verdade que para si funciona muito bem. O importante é que precisamos colocar nós em primeiro plano e moldar as dicas de acordo com o nosso estilo, as nossas particularidades e os próprios gostos.

Valorize-se!


Calebe Ribeiro.


A procura de mais dicas? Que tal de Stephen King? Agora com os cuidados necessários pode ir aprender mais nesse link com várias dicas excelentes do mestre!

sábado, 27 de setembro de 2014

Outro dia li a respeito de alguns motivos para bater numa mulher, o texto usou um modo não apenas irônico de abordar o assunto, mas chegou a ser cômico. Vou discorrer sobre os motivos brevemente aqui e se você quiser conferir o post inteiro de autoria de Troy Dunn, deixo o link (sim, vá ler o artigo porque vale a pena!).

O post bem humorado diz que você tem todo direito de ser violento com uma mulher, caso ela esteja  em alguns perigos, tais como:
Fogo, 
Sob um iminente ataque de aranha, 
Engasgando ,
ou 
Quase sendo atropelada por um trem. 

O texto encoraja um homem a agir bruscamente, se necessário, para salvar sua amada, ou uma mulher frente a um perigo.

O mais importante o autor deixa para o final:

Péssimas razões pelas quais as mulheres se deixam agredir!

Sim, grande parte da violência recorrente contra uma mulher ocorre por culpa dela mesma! E isso não tem nada a ver com roupas ousadas, andar por locais perigosos ou coisa parecida. O fato é que existem falsas razões que constantemente mulheres usam para explicar a violência sofrida.

Entenda aqui culpa, como uma espécie de negligência, ou seja, assumir o risco.

Se uma mulher sofreu violência do seu parceiro, ela deve abandoná-lo! Muitas mulheres tem grande dificuldade de abandonar os companheiros justificando que a violência foi apenas uma vez e que estes se arrependeram.

Primeiras vezes, segundas vezes, terceiras vezes, tragédias e mortes. Muitas tragédias poderiam ser evitadas se mulheres tivessem o pulso firme no momento que deveriam ter!

Vou citar, também brevemente os motivos abordados no artigo. Deixo um recado às mulheres que se identificarem: façam um favor a si mesmas e valorizem suas vidas!

“Ele estava bêbado.”

“Ele está sob muito estresse.”

“Eu merecia isso!”

"Seu pai abusou de sua mãe. É a vida que ele conhece."

"Foi só uma vez. Ele pediu desculpas."

Não vou discorrer sobre a falha de cada desculpa descrita acima, pra mim é algo óbvio, mas se pra você não, leia o artigo de Troy Dunn. Espero que todas as mulheres do mundo enxerguem que, muitas vezes, a felicidade é uma questão de escolha.

Calebe Ribeiro

quinta-feira, 18 de setembro de 2014


“O dia que eu comprei um e-reader”. Fiquei na dúvida em colocar esse título no post no lugar de “Porque comprar um e-reader”. Mas acabei optando pelo que você deve ter lido.

Ocorre que hoje chegou meu leitor de livros digitais, aproveitei a promoção que a Saraiva fez do seu Lev (Saiu por 200 conto!) e interessado no recurso “PDF Reflow” que permite a reorganização da estrutura do texto de arquivos pdf, adquiri o produto sem pensar muito.

Não tenho intenção de fazer um review do equipamento, mas diga-se de passagem, eu recomendo a compra. Tenho intenção de explicar como um equipamento desses realmente é uma mão na roda no dia-a-dia. E ter mais propriedade por ser um possuidor do gadget.

Eu já fiz um post mencionando as características que fazem os e-readers serem ótimos aliados na leitura, com vantagens não encontradas nos livros comuns, clique aqui para mais informações.

Chega de enrolação, ao contrário do post “frio” que escrevi da outra vez, quando eu ainda não possuía um leitor digital hoje falo de várias vantagens que eu percebi na prática, incluindo a maravilha: levar quantos livros desejar para onde quiser sem carregar nenhum peso adicional!

Continue lendo e descubra mais boas vantagens, que eu constatei em poucas horas com o equipamento.


Muitos, muitos livros; Nenhum, nenhum peso

Hoje, fui a faculdade, e levei apenas algumas folhas e o leitor que tinha acabado de chegar em minha casa, gastei alguns minutos apenas para colocar alguns ebooks no equipamento joguei na mochila e fui.

Ao sair da primeira aula, tinha um intervalo de uma hora até a próxima aula, e eu estava ali muito bem servido de algo para tomar o tempo! Tinha na coleção, O Silmarilion, A trilogia O Senhor dos Anéis (J. R.R. Tolkien), Memórias Póstumas de Brás Cubas (Machado de Assis), O Cortiço (Aluísio Azevedo) etc... (Se quiser mais tem!)

As opções são muitas, então hoje ficou muito claro pra mim que na próxima viagem terei quantos livros quiser na minha bagagem sem peso adicional!
O Lev pesa: 190g (Mais leve que muito livro por aí)


Dicionário incluso!

Outra coisa muito útil é ter um dicionário nativo no equipamento. Aquela situação de ler uma palavra que você não conhece e deixar passar por não ter um dicionário por perto nunca mais vai ocorrer.

É só pressionar sobre a palavra e pronto, o significado será exibido. A leitura é muito mais confortável, sem que você precise ficar abrindo livros, dicionários, localizar palavras para continuar uma leitura.


Tamanho de fonte a gosto do freguês, digo, leitor!

Eu poucas vezes presto atenção no estilo ou tamanho da fonte de um livro, mas é óbvio que isso é importantíssimo para a qualidade da sua leitura. Muitas vezes a gente se cansa mais rapidamente de ler um livro por causa da fonte utilizada e nem se dá conta.

Hoje isso ficou claro pra mim, como é confortável você perceber que a fonte está muito pequena e com um movimento de dedos ajustar para o tamanho que você quer. (Tela multi toque, sua linda!)

Com um leitor digital você pode deixar as letras garrafais, se essa for a sua vontade.


Não precisa de caneta, marcador, bloco de notas e whatever


Enquanto eu lia e batia aquela vontade de marcar algum ponto, e escrever algum comentário, era apenas selecionar o texto e escrever a nota. Para notas curtinhas, essa função será perfeita.

Além do mais se você está lendo e quer guardar alguma frase, pode marcá-la que ela ficará destacada (semelhante uma caneta marca textos).

E se você pára a a leitura, muda de livro, faz alguma compra no equipamento, pode ficar tranquilo que ao voltar para o livro, ele estará no mesmo ponto que você parou.


Amigos, espero ter sido útil, se alguma dúvida ficar continuo a disposição. Segue alguns dados técnicos para finalizar o post.

Até a próxima.

Dados técnicos do LEV da Saraiva:

Tela 6” E ink (não cansa a visão)
Resolução HD de 758 x 1024 px (213 dpi)
Memória interna: 4 gb (aceita cartão microSD de até 32 gb)
Arquivos que suporta: ePub, PDF, HTML, TXT, FB2, JPEG, PNG, GIF, BMP, ICO, TIF, PSD


quarta-feira, 10 de setembro de 2014


Stephen King, que já foi comentado aqui no blog anteriormente continua nos inspirando, que tal uma série de suas melhores frases? Uma melhor que a outra!



||Caso ainda não conferiu os outros posts sobre o autor, corre lá:
Stephen King: 22 conselhos para escritores
4 grandes lições que Stephen King pode te ensinar sobre a vida ||



#1
"Só os inimigos dizem a verdade. Amigos e amantes, apanhados na teia da obrigação, mentem sem parar." Stephen King

#2
"Uma criança, cega de nascença, só sabe de sua cegueira se alguém lhe conta." Stephen King

#3
"A confiança do ingênuo é a arma mais útil do mentiroso." Stephen King

#4
"Não sabemos quanto tempo nos resta, não podemos desperdiçá-lo lamentando coisas que não podemos mudar." Stephen King

#5
"Aqueles que não aprendem com o passado estão condenados a repeti-lo". Stephen King

#6
"Você está certo! Mas pelos motivos errados! E isso faz com que você esteja totalmente errado!" Stephen King

#7
"Monstros são reais e fantasmas são reais também. Vivem dentro de nós e, às vezes, vencem". Stephen King

#8
"Se você se irrita com os críticos, você pode ter certeza de que quase sempre eles estão certos." Stephen King

#9
"Antes da vitória vem a tentação". Stephen King
#10
"Primeiro vem as risadas, depois as mentiras. Por ultimo o tiroteio." Stephen King

#11
"Talento é mais barato que sal. O que separa a pessoa talentosa da bem-sucedida é muito trabalho duro." Stephen King

#12
"A beleza da mania religiosa é que ela tem o poder de explicar tudo. Uma vez que Deus (ou Satã) são aceitos como a primeira causa de tudo que acontece no mundo mortal, nada é deixado à sorte... a lógica pode ser alegremente jogada pela janela." Stephen King

#13
"A criança nunca sabe o que é um martelo, até confundir o dedo com um prego." Stephen King

#14
"Crianças, ficção é a verdade dentro da mentira, e a verdade desta ficção é bastante simples: a magia existe." Stephen King

#15
"Tudo sempre parece mais claro quando olhamos para trás." Stephen King

#16
"Um homem que não pode ficar um pouco não deve nem se aproximar." Stephen King

#17
"Tempo, o grande ladrão da memória." Stephen King

#18
"O tempo cuida de tudo, o tempo carrega tudo e no fim tudo que existe é a escuridão. Às vezes encontramos outras pessoas nessa escuridão e às vezes as perdemos lá novamente. Isso é tudo que sei." Stephen King

Gosta de alguma outra frase que não consta na lista? Já sabe a sua preferida? Compartilhe!

segunda-feira, 8 de setembro de 2014


Stephen King, escritor que fez história no gênero de horror, é uma personalidade na qual vale a pena falar. É muito interessante como os seres humanos possuem capacidades distintas e também distintas facetas.

Esse homem, ocupa a 9ª posição entre os autores mais traduzidos no mundo e, se tratando de horror fantástico, é um dos mais notáveis de sua geração.

É válido analisar a sabedoria que esse escritor pode nos apresentar, será maravilhoso convencer alguns de que mesmo um escritor de terror tem muito a ensinar.


A família é mais importante pra ele do que você imagina

Stephen King se casou, em 1971, com Tabitha Spruce, mulher que foi importante para, além de King, todos os amantes dos contos de horror, literatura, fantasia, cinema etc. Foi ela quem retirou os esboços do lixo e convenceu o marido a voltar a escrever o que um dia se tornaria “Carrie, a estranha”.
Ou seja, a família o abençoou, lhe encorajando e estando ao seu lado, inclusive, mais do que ele mesmo. Anota aí: A família unida é o nosso maior tesouro. Podemos exemplificar essa lição, com uma fala do próprio Stephen King:

 “A combinação de um corpo saudável e um relacionamento estável com uma mulher auto-confiante que nada toma de mim ou de outra pessoa possibilitou a continuidade da minha vida profissional”. Stephen King

Ele escreveu "Carrie, a estranha", mas escreveu também "Um sonho de liberdade" e "À espera de um milagre"

Mesmo tendo a literatura de horror como área de conforto, King também foi extremamente competente em outros gêneros. O livro "As quatro estações", por exemplo, contém o conto que inspirou "Um sonho de liberdade". Isso é uma demonstração de que todos temos nossas facetas e múltiplas habilidades e, como ele, devemos deixar florescer.

É preciso por para fora os nossos recursos, sonhos e positividades. Fazendo uma analogia com as tragédias e os horrores da vida, as reclamações diárias e a facilidade de falar das coisas negativas, é mais fácil comentar as mazelas dos nossos conhecidos do que suas virtudes. Mas, tal como Stephen King no livro "À espera de um milagre", temos que, às vezes, deixar de falar de tragédia e começar a falar de esperança.


Ele é um mestre de verdade

É importante compartilhar conhecimento, é através de nossas experiências que podemos crescer e fazer crescer. O sofrimento tem sua parcela de importância, mas se pudermos impedir alguém de sofrer, seremos imensamente recompensados. Na vida de King, isso é notável, levando em consideração seu livro “On writing”, no qual ele se dedica a aconselhar escritores. Todos tem seus mestres, e, podemos entender mestre como aquele que ensina e deixa um legado através de seus pupilos. Clique aqui e veja 22 conselhos que ele dá a quem gostaria de escrever... se você é desses, pode atacar!


Ele é corajoso

Seguindo o gancho deixado pelo tópico anterior, podemos analisar um dos conselhos deixados por King, onde ele expressa a necessidade que temos de enfrentar as coisas que são difíceis:

“As coisas mais importantes são as mais difíceis de dizer, são delas que você se envergonha porque as palavras diminuem seus sentimentos". Stephen King

Coragem é o que necessitamos, precisamos enfrentar nossos medos, desengavetar sonhos antigos, mergulhar águas mais profundas, visitar nossos limites… Uma vida sem coragem para enfrentar levará apenas às beiradas, ao raso. O que é facilmente controlável com certeza traz menos retorno. Precisamos de mais adrenalina, de mais realizações, fazer as coisas difíceis, as fáceis não trazem o mesmo resultado.

Finalizo essa análise convidando todos a prestar atenção em tudo. Hitler em toda a sua malignidade é capaz de ensinamentos- sobre o que fazer e sobre o que não fazer. Isso é lição para que deixemos de lado os preconceitos que nos impedem de aprender com pessoas diferentes. São as diferenças que nos tornam iguais.

Calebe Ribeiro.


quarta-feira, 3 de setembro de 2014


Num desses feriados, saí da cama tarde, tão tarde quanto meu corpo conseguiu. Ao levantar, percebi imediatamente aquela incômoda dor de cabeça.

Ainda que tenha tomado remédios, a dor permanecia. Até que resolvi deixar de lado a preguiça de feriado e ir fazer alguma coisa útil.

Andei pela casa por alguns momentos, até que percebi a minha velha bicicleta: esquecida, jogada num canto. Qual teria sido a última vez que eu havia a limpado e engraxado?

Panos velhos, desengripador, óleo de máquina, caixa de ferramentas e mãos a obra!

Limpei a sujeira da catraca e dos discos, retirei linhas e fios de cabelo misturados com a graxa envelhecida dos cubos. Virei a bicicleta de ponta cabeça, retirei a roda e lembrei de minha infância, do pique dos dias que desmontava as coisas por puro prazer.

Após concluir a tarefa, já não lembrava de dor de cabeça. Impressionantemente foi só me dar conta disso para perceber que ela ainda estava ali. Ela esteve comigo o tempo todo, mas, de alguma maneira foi esquecida.

Às vezes, nos prendemos de tal forma em nossos problemas que deixamos de fazer muitas coisas. Focamos em dificuldades como se elas nos impedissem de tocar a vida e fazer o que precisamos fazer.

Quando nos permitimos esquecer alguns problemas, esquecemos. E mesmo que simplesmente esquecer não os resolva, podemos sorrir e ser felizes com coisas e pessoas que são muito necessitadas da nossa atenção e carinho.

A vida não acaba quando encontramos problemas, podemos ser felizes no tempo que esperamos uma solução definitiva.

Sempre haverá algum tipo de trabalho que ao invés de nos sugar, nos oferecerá algo.

Calebe Ribeiro

terça-feira, 2 de setembro de 2014


Os sonhos de criança são geralmente os mais gostosos de sonhar - realizar, nem sempre. Lembro-me, pés descalços, roupas sujas, cabeça debruçada no chão contando as estrelas, os projetos caiam, quase como gotas da chuva em uma tempestade duradoura.

Os sonhos de criança podem fazer de um escritório, computadores e pilhas papéis, as coisas mais divertidas do mundo. Hoje sei: os sonhos de criança continuam sendo os melhores. A beleza do sonho de um garotinho está em si mesmo, no volume e na leveza!

Os sonhos de criança são quase amigos materializados, inseparáveis. Um pequenino anda de mãos dadas com seus "amigos sonhos". Os adultos  pra onde vão, costumam levar consigo apenas a realidade acorrentada nas pernas.

A realidade precisa de mais estrelas cadentes, mais planos absurdos, a realidade precisa mais da gente, sendo nós mesmos quando éramos crianças. A realidade precisa de nossos pés pequenos e descalços.

Corremos pela vida, necessitamos de mais passeios também! Sonhos que nos causem anestesia e revigore nossas forças simplesmente pelo processo de sonhar; realizar não importa por agora.

A realidade dessa vida adulta clama que você pare, deite-se próximo à janela e se guie pelos sonhos que as estrelas te presenteiam.

Sonhar talvez seja mais importante até que realizar.

Calebe Ribeiro